domingo, março 26, 2017

Jankenpon - Jornal de banda desenhada

 
      #0 do Jankenpon (Março 2015) é já raridade


         #1 do Jankenpon (Dez.2015/Jan.2016)



          #2 do Jankenpon (Fev./Março 2016)
 


         #3 do Jankenpon (Abril/Maio 2016)


          #4 do Jankenpon (Jun./Jul.2016)


            #5 do Jankenpon (Ag./Set.2016)


                #6 do Jankenpon (Nov./Dez.2016)


            #7 do Jankenpon (Fev./Março 2017)
-----------------------------------------------------------
Excertos de mangás dos vários números publicados:

Jankenpon #0


Joana Rosa é a autora da primeira mangá publicada no jornal Jankenpon, logo no nº0, com o títuloTMG: The Mighty Gang - Missão 06, episódio: Fogo Contra Vento, que teve direito a 16 pranchas/páginas, quase todo o jornal.
Apenas sobejaram duas páginas para a mangá Ayaka e Yuki 4Koma #1, da autoria de Maria Borges, já antes editada na revista Banzai #4.
Note-se que este #0, publicado a título experimental, teve apenas 24 páginas, menos do que as edições seguintes.
--------------------------------------------------------
Jankenpon #1 



Sara Ferreira e Gisela Martins apresentam-se sob o pseudónimo "Star Two", e são as autoras da mangá I Love You, de que se apresenta em cima a segunda prancha.
Este #1 integra, além da citada colaboração das "Star Two", a mangá Missão 01 de TMG: The Mighty Gang, de Joana Rosa, (cuja Missão 06 já tinha sido impressa no #0), Dragon Nanny (13 pranchas), desenhadas por Íris Loureiro sob argumento/guião de Ricardo Andrade, e volta a ver-se Ayaka e Yuki de Maria Borges. 
-------------------------------------------
Jankenpon #2

 Vanessa Ribeiro e a autora da primeira mangá publicada no jornal Jankenpon, logo no nº0, com o títuloTMG: The Mighty Gang - Missão 06, episódio: Fog










 EM CONSTRUÇÃO
-------------------------------------------







 

(EM CONSTRUÇÃO: Falta reproduzir mais bandas desenhadas "mangás" dos outros números)

(A seguir: Excerto do texto do post, que apenas amanhã completarei) 


JANKENPON é o título de uma invulgar publicação periódica de BD que tem por subtítulo Jornal de banda desenhada.

Claro que o título remete de imediato para uma origem japonesa, e com razão. De facto, "Jan Ken Pon" é o nome original do jogo "Pedra, Papel e Tesouro", com origem no Japão.

E o conteúdo do jornal não engana: com efeito, a banda desenhada de matriz nipónica é o seu foco absoluto. Com uma característica muito valiosa e quase difícil de acreditar: toda a produção publicada é de autores/as portugueses/as, tanto desenhadores/as como argumentistas.

É verdade que a periodicidade é apenas bimestral (louvavelmente respeitada), mas mesmo assim não deve ser fácil reunir material para preencher as habituais 48 (!) páginas (a cores) de cada jornal.

Note-se que a assumida denominação de jornal é perfeitamente compreensível e apropriada, visto que o Jankenpon é impresso em papel de jornal, e no formato tablóide (28x34cm) habitual de alguns jornais (Público, por exemplo).
Jankenpon tem um preço bastante acessível: 1

Voltando ao importante assunto da colaboração dos e das mangakas portugueses/as: a produção espalhada ao longo dos sete números publicados (mais o #0) pode causar alguma admiração. Eis os nomes dos colaboradores dos sete números publicados até ao bimestre Fevereiro/Março 2017:     



EM CONSTRUÇÃO
----------------------------------------
Os visitantes interessados em ver notícias anteriores sobre Mangá made in Portugal podem fazê-lo clicando no respectivo item inserido em rodapé 

sexta-feira, março 24, 2017

BD portuguesa em jornais - Viagens no Cérebro


No jornal Público de hoje, 23 de Março, foi publicada uma peça de duas pranchas/páginas de figuração narrativa dedicadas à celebração, em texto e imagem, da Semana Internacional do Cérebro. Portugal participa nela neste mês de Março, através do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra.

A ideia de recorrer à BD enquanto arte sequencial capaz de facilitar a compreensão de tema tão complexo terá sido do cientista João Ramalho Santos, habituado a elaborar argumentos/guiões para este tipo de divulgação científica, recorrendo ao ilustrador André Caetano, autor de banda desenhada.

Embora sintetizado, o texto de carácter científico de suporte da peça é elucidativo, criando uma autêntica aventura dedicada ao cérebro e à função de diferentes regiões cerebrais.

Prevêem-se viagens inéditas e fascinantes ao interior do nosso órgão mais complexo, que talvez possamos acompanhar graças às imagens sequenciais da BD, assim o cientista/argumentista Ramalho Santos continue interessado neste tipo de divulgação, apoiado no talento de André Caetano.

Nota - A obra foi elaborada com a participação dos investigadores: Ana Cristina Rego, Ana Luísa Carvalho, Ana Rita Álvaro, Carla Lopes, Carlos Duarte, Cláudia Cavadas, Cláudia Pereira, João Peça, Luana Naia, Luís Pereira de Almeida, Nuno Empadinhas, Paula Moreira, Paulo Pinheiro, Ramiro Almeida, Ricardo Rodrigues, Sandra Morais Cardoso e Sandra Mota   

------------------------------------
Os interessados em ver textos anteriores da rubrica BD portuguesa em jornais poderão fazê-lo clicando no respectivo item visível em rodapé